• s-facebook
  • Twitter Metallic
  • s-linkedin

A HIPOCRISIA DE UM PAÍS HIPÓCRITA

            Porquê começar um artigo com este título? O artigo em si lhe dará a resposta. Tenho visto nos últimos tempos uma série de paladinos da justiça e da moralidade nacional, escolhendo lutas e bandeiras até relevantes, mas esquecendo de suas próprias fragilidades. E já que é para tirar a sujeira escondida embaixo do tapete, que sejamos claros e cristalinos, pois a verdade liberta.

            E tal qual disse Jesus para os algozes moralistas de Maria Madalena eu digo “atire a primeira pedra àquele que não tem pecado”, mas cuidado pois você pode ser alvo. Há nesse momento, uma verdadeira cruzada pelo país a fora pelo fim dos “auxílios” ou dito de outra forma “penduricalhos” dos magistrados e do ministério público, em razão de um acréscimo de pouco mais de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) aos proventos dessas categorias. É justo o recebimento ? É imoral ? É ilegal ? Vou me atrever a tentar responder nas próximas linhas, e se você não suporta a verdade, lhe aconselho, pare de ler agora.

            Antes de qualquer coisa, deixe-me apresentar, me chamo André, sou administrador de empresas e advogado criminalista, meu escritório é uma sociedade unipessoal, e sempre fui autônomo, desde os tempos de faculdade de administração, sempre empreendi, apesar da angústia de empreender em um país com a carga tributária mais pesada da via láctea, mas vamos ao cerne da questão, sem muito arrodeio.

            Não sou a favor de nenhum “auxílio” ou “penduricalho”, sou a favor de REMUNERAÇÃO JUSTA, pelo trabalho que se realiza, e cá entre nós, ninguém recebe a tal remuneração justa, e assim começa os disparates, os parlamentares suíços não recebem nenhum tipo remuneração, os nossos recebem, veja o que aconteceu em 2015, A Câmara decidiu aumentar os gastos com os deputados em R$ 150,3 milhões. Neste ano, o reajuste será dado a partir de abril, representando um aumento de R$ 112,8 milhões. Sabe o que entra na conta: a) COTA PARLAMENTAR (R$ 14,6 milhões), b) VERBA DE GABINETE (R$ 92.053,20 ao mês), c) AUXÍLIO MORADIA (R$ 805,5 mil), d) AJUDA DE CUSTO (R$ 16.881,50), e) COTÃO (R$ 478.611,67). Sobre o COTÃO, Valor se refere à média dos 513 deputados, consideradas as diferenças entre estados. A média não computa adicional de R$ 1.353,04 devido a líderes e vice-líderes partidários. O Cotão inclui passagens aéreas, fretamento de aeronaves, alimentação do parlamentar, cota postal e telefônica, combustíveis e lubrificantes, consultorias, divulgação do mandato, aluguel e demais despesas de escritórios políticos, assinatura de publicações e serviços de TV e internet, contratação de serviços de segurança. O telefone dos imóveis funcionais está fora do cotão: é de uso livre, sem franquia.

            Gherardo Colombo, ex-magistrado italiano da Operação Mãos Limpas, sobre o fim da operação mãos limpas assim respondeu “Para mim, a cidadania, os cidadãos comuns tiveram uma parte importante na decretação do fim da Mãos Limpas porque, no início, eram todos entusiastas na Itália das investigações, pois elas nos levavam a descobrir a corrupção de pessoas que estavam lá em cima. Mas, conforme elas prosseguiram, chegamos à corrupção dos cidadãos comuns: o fiscal da prefeitura que fazia compras de graça, que não fiscalizava a balança do vendedor de frios, que continuava a vender apresuntado como se fosse presunto(...) Começaram a pensar que os senhores eram Savonarolas (Girolamo Savonarola, dominicano que governou Florença, na Itália, no século 15 e dizia que a moral dos cidadão devia ser regenerada).

            E é assim que se desvia o seu foco daquilo que importa, porquê ninguém pressiona o Min. Dias Toffoli, porquê? Pois um pedido de vistas do Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) José Antonio Dias Toffoli impediu, em 23/11/2017, que a corte restringisse o alcance do foro especial por prerrogativa de função, o chamado "foro privilegiado". Toffoli pediu vista na ação em que os ministros discutiam o tema e não tem data para proferir seu voto. Desta forma, o Supremo, que já tinha maioria formada para alterar as regras do foro privilegiado, não poderá aplicar a modificação aprovada. 

            O pedido de Toffoli, que era esperado, dá tempo para que a classe política faça mudanças na Constituição e, eventualmente, garanta a continuidade do foro privilegiado para ela própria. No domingo 19/11/2017, Toffoli se encontrou com o presidente Michel Temer, uma reunião que alimentou especulações a respeito do interesse da base aliada no adiamento do caso, uma vez que deputados poderiam ser afetados pela mudança na regra.

 

            Para além disso, desafio você que está lendo esse texto, a me dizer que NUNCA escutou a frase “COM RECIBO OU SEM RECIBO ?” Bem comum, no dia a dia, de consultas médicas, serviços de profissionais liberais, autônomos, até empresas em alguns casos, e aqui vai a verdade nua e crua pra você que opta ou optou pela opção “SEM RECIBO”, isso é crime, mais especificamente SONEGAÇÃO FISCAL, capitulado no inciso I, art 1º da LEI Nº 4.729, DE 14 DE JULHO DE 1965. E aí, ainda tá afim de atirar pedra? Atire e continue sendo manipulado pela hipocrisia de um falso moralismo, de momento. Pois, a melhor maneira de combater a corrupção é a que aprendi com meu sábio pai, seja correto e honesto sempre, pois nenhum resultado imerecido é bom. Repense suas lutas, e principalmente, PENSE !!! Antes de seguir esses cruzados da moralidade, que surfam ondas em discursos populistas.